domingo, 22 de outubro de 2017

Imperador do Japão e o Processo de Abdicação ao Trono Japones


O imperador japonês Akihito abdicará em março de 2019, cedendo assim o trono a seu filho mais velho, o príncipe Naruhito, afirmou nesta sexta-feira (20) o jornal ‘The Asahi Shimbun’ citando fontes ligadas ao governo do país que, por sua vez, se empenhou em preparar uma nova legislação para permitir a primeira abdicação no Japão em 200 anos.

De acordo com a publicação do ‘Asahi’, o primeiro ministro do Japão, Shinzo Abe, deverá anunciar a data após um encontro marcado para novembro com autoridades governamentais e membros da Casa Imperial.

Segundo as fontes, o imperador Akihito deverá abdicar em 31 de março de 2019. Com isso, o príncipe herdeiro Naruhito ascenderá ao Trono de Crisântemo no dia 1 de abril de 2019, dando assim o inicio de uma nova era [Era Heisei sob Akihito].

O imperador Akihito, de 83 anos, surpreendeu depois de expressar desejo de abdicar em agosto de 2016, após quase três décadas no trono, alegando motivos de saúde debilitada e idade avançada.
A nova data sucede a uma anunciada pela mídia japonesa em janeiro de 2017.

“O governo planeja deixar o imperador Akihito abdicar em 31 de dezembro de 2018 e mudar para uma nova era com a ascensão do príncipe Herdeiro Naruhito ao Trono do Crisântemo logo no dia seguinte, disseram fontes governamentais ao mesmo jornal Asahi no início do ano.

Até o momento, tanto o governo central como a Casa Imperial não confirmou a nova data citada pelas fontes do ‘Asahi’. Contudo, é praticamente certo que Akihito cederá, em vida, o trono ao príncipe herdeiro, o que será a primeira abdicação na linha sucessória imperial japonesa desde a do imperador Kokaku, em 1817.

Nos últimos anos, Akihito passou por uma série de enfermidades, que inclui uma cirurgia cardíaca e tratamento para câncer de próstata. Desde então, o imperador começou a delegar a seu filho mais velho, o príncipe herdeiro Naruhito, algumas obrigações de sua agenda.

Naruhito tem uma filha única, a princesa Aiko, de 15 anos, mas ela não poderá herdar o trono porque as leis da Casa Imperial Japonesa permitem somente imperadores homens. Com isso, na fila de sucessão vem, logo em seguida à Naruhito, o irmão mais novo dele, Akishino, e Hisahito, de 11 anos, filho de Akishino.

A opinião pública tinha visto o processo legislativo, empreendido para facilitar a renúncia do monarca em favor de seu primogênito como uma via para reabrir o debate sobre outras possíveis modificações. Entre elas está a mais debatida, que é a mudança na lei para permitir o acesso de mulheres ao Trono do Crisântemo, uma questão foi abordada anteriormente após o nascimento da única filha de Naruhito.

Uma pesquisa nacional realizada no ano passado, após o discurso do imperador, mostrou que quase 90% dos japoneses são favoráveis a uma mudança legal nas leis do país para permitir a abdicação, bem como a ascensão de mulheres ao trono.

A imperatriz Michiko do Japão completou 83 anos na sexta-feira (20) com pensamentos voltados à ao bem-estar de seu marido, o imperador Akihito. Ela aproveitou a ocasião para expressar alívio em ter a certeza de que Akihito finalmente aproveitará momentos de paz depois de abdicar ao Trono do Crisântemo.

“Sua Majestade [Akihito], depois de se dedicar por tantos anos no papel do Imperador símbolo do Estado [do Japão], agora, em seus anos avançados, poderá passar alguns dias de calmaria e silêncio”, disse Michiko em sua resposta escrita às perguntas da mídia nacional dias antes de seu aniversário.
“A perspectiva [da abdicação] me dá uma sensação incomensurável de alívio”, disse.

Nas declarações à imprensa, Michiko também abordou as recentes visitas do casal imperial a várias localidades do país neste ano.

“Minhas viagens dentro do Japão este ano foram mais afetadas pelo pensamento de que poderia ser a última vez que eu estava visitando aqueles lugares com Sua Majestade [Akihito] em caráter oficial”, contou a imperatriz em referência à futura abdicação do imperador.

“(…) a beleza de cada lugar me atingiu mais profundamente do que quando viajei pelo país [antes da questão da abdicação], confessou ela.

Michiko também mencionou os árduos esforços dos sobreviventes de bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki em relação ao Prêmio Nobel da Paz deste ano concedido à Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN).

Do Mundo-Nipo
Fonte: Jornal The Asahi Shimbun.

http://mundo-nipo.com/noticias-2/20/10/2017/imperador-do-japao-ja-tem-data-certa-para-abdicar-diz-asahi/

quinta-feira, 19 de outubro de 2017